Suplementação de Zinco Biocell

Benefícios da Suplementação de Zinco:

O Zinco é cofator enzimático em mais de 200 metaloproteínas e mais de 50 enzimas, exercendo papel catalítico, estrutural, e regulador das metaloenzimas (álcool desidrogenase,  retinol desidrogenase, malato desidrogenase, carboxipeptidases A e B, superóxido dismutase, anidrase carbônica, RNA polimerase e fosfatase alcalina). Consequentemente à sua ação como cofator, o mineral possui propriedade antioxidante (devido a sua atuação sobre a superóxido dismutase), está envolvido no metabolismo da somatomedina, na modulação da prolactina, na ação da insulina e de hormônios do timo, tireoide, suprarrenal e testículos.

O Zinco é importante também para o funcionamento adequado de linfócitos e fibroblastos, exercendo atividade antiviral. Participa ainda de processos bioquímicos como respiração celular, reprodução do DNA, manutenção da integridade da membrana celular e regulação da expressão gênica. Além disso, o mesmo é necessário na função sexual, pois atua na maturação do esperma, na ovulação e na fertilização. Está envolvido também na percepção sensorial (tato, olfato, visão e percepção do sabor salgado), na cicatrização de feridas, queimaduras e cicatrizes cirúrgicas, no controle de vitamina A estocada no fígado, na atividade da Vitamina D,  na síntese do grupo heme da hemoglobina.

Acredita-se que o Zinco possa ser um sinalizador endógeno do sistema nervoso central, sendo liberado com o objetivo de exercer função sináptica.  O mineral participa da formação da enzima metalotioneína, cujo desequilíbrio pode contribuir para o desenvolvimento do autismo, hiperatividade e distúrbios de atenção. Além de baixos níveis plasmáticos de Zinco estarem relacionados ao desenvolvimento de Diabetes e doenças cardiovasculares, foi constatado que essa deficiência do mineral pode afetar a utilização dos hormônios tireoidianos, sendo que, sua suplementação é eficaz para reverter esses quadros de desequilíbrio endócrino.

Sua ação sobre a acne é satisfatória (ver Zinco-Cobre), pois o mesmo age sobre a quimiotaxia da bactéria L. pneumophila, uma das responsáveis pelo inicio do processo inflamatório , sendo ainda, a única forma segura de tratamento de acne em gestantes. Para as gestantes, o Zinco, além de essencial para a formação do feto, possui inúmeros benefícios: previne acne, queda de cabelo, indigestão, obstinação, alteração de humor (esses primeiros sintomas são causados pela suplementação de ácido fólico), trabalho de parto prolongado, hemorragia pós-parto, hipertensão e diabetes gestacional.

O Zinco é essencial para o sistema imune, sua deficiência afeta múltiplos aspectos  da imunidade inata e adaptativa. Os efeitos terapêuticos do uso do Zinco têm sido observados na  diarreia infantil, cirrose secundária à hepatite C, shiguelose, lepra, tuberculose, pneumonia, infecções agudas do trato respiratório, resfriado comum e leishmaniose. Os níveis de Zinco possuem um papel central na transdução do sinal de inflamação e no controle da apoptose. Sua deficiência causa  redução na síntese de imunoglobulinas, diminuição da resposta  do anticorpo mediado pelas células T, redução da atividade das células natural killer.

 

Sintomas da Deficiência de Zinco:

Pele amarelada

Acne

Eczema e psoríase

Retardo na cicatrização de feridas e úlceras de decúbito

Hiperplasia prostática benigna

Unhas frascas, quebradiças e/ou com manchas

Cabelos secos e quebradiços

Gripe comum

Estrias durante a gestação

Olfato e paladar prejudicados

Hipogonadismo

Fotofobia, cegueira noturna, movimentos involuntários/cíclicos do globo ocular – A deficiência de Zinco leva a uma deficiência de Vitamina A, pois o mineral atua como cofator da enzima responsável pela conversação de b-caroteno em Vitamina A (retinal redutase).

 

Aplicações Clínicas da Suplementação de Zinco (Orientada por médico ou nutricionista):

Gestação

Crescimento

Osteoporose

Fumantes (apresentam deficiência de Zinco)

Autismo

Hiperatividade

Distúrbios  de atenção

Hipogeusia

Doenças inflamatórias no intestino

Suscetibilidade a infecções

Atrofia do timo

Linfocitopenia

Astenias

Psoríase

Acne

Fotofobia e falta de adaptação à escuridão

Alcoolismo

Diabetes tipo I e II

Disfuncionamento pancreático

Aterosclerose

Alterações do sistema nervoso

Alterações hipofisiárias

Retardo na maturação sexual

Impotência sexual

Síndrome adiposa genital

Diminuição do fluxo menstrual

Disfuncionamento tireoidiano

Hipotireoidismo

Dificuldade na regeneração tissular

Adenoma prostático

 

Referência bibliográfica:

Paschoal, V.; Marques, N.; Cant’Anna, V. Nutrição Cínica Funcional: Suplementação. São Paulo: Valéria Paschoal Editora Ltda, v. 1, 2015.

Padrazzi, Pierre. l’ Oligotherapie Reactionnelle. Ed. Similia.

Ménétriér, Jean.  A medicina das funções. Ed. Organon.

 

ZINCO

ZINCO-COBRE

ZINCO-CROMO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *